Meio século do Tropicalismo: Bolero Freak revê Panis et Circensis - Kultme Alternativa Cultural

Meio século do Tropicalismo: Bolero Freak revê Panis et Circensis

bolero_fr

Um verdadeiro teatro de bolso: uma garagem descolada e aconchegante para o melhor da arte, cultura e experimentalismo. Quer lugar melhor para ouvir os sucessos inesquecíveis da Tropicália? Pois o movimento liderado por Gil e Caetano, que completa 50 anos em 2017, é a grande estrela do show da banda Bolero Freak, que se apresenta no dia 8 de junho no Teatro de Bolso do IV Mundo, na Vila Romana, em São Paulo, tocando na íntegra as canções do álbum símbolo do movimento, “Tropicália ou Panis et Circencis”.

Daniel Lotoy (voz), Renato Leite (baixo), Evandro Ferreira (violão e guitarra) e Abner Paul (bateria e percussão) se uniram para lançar a ‘Bolero Freak’ no fim de 2016. Velhos conhecidos em torno da música, fizeram da soma de suas experiências e referências individuais a proposta central da banda: mesclar diferentes estilos, combinando a diversidade existente dentro da própria banda.

Nos primeiros shows, como num projeto experimental, testando a sonoridade da união de estilos aparentemente não-conexos, a Bolero Freak apresentou excêntricas combinações como “Xibom Bombom” (As Meninas) e “Knockin’ on Heaven’s Door” (Bob Dylan), “Billie Jean” (Michael Jackson) e “Odara” (Caetano Veloso), “Mistério do Planeta” (Novos Baianos) e “Iris” (Goo Goo Dolls).

Na trilha da pesquisa musical, sempre pelo viés da mistura dos sons, a banda chegou ao Tropicalismo, movimento icônico na música brasileira, e assim surgiu o projeto “Bolero Freak toca Tropicália ou Panis et Circencis.”

Marco hippie no Brasil

O Tropicalismo foi um marco no Brasil, a partir de outubro de 1967, com o lançamento das músicas “Alegria, Alegria” e “Domingo no Parque” no III Festival da Música Popular Brasileira, da TV Record de São Paulo. Caetano Veloso, Gilberto Gil, Os Mutantes e outros músicos uniram o popular e o pop ao experimentalismo estético, impulsionando não apenas a modernização da música, mas da cultura nacional.

Além das letras marcantes – que se mantém, aliás, bastante atuais – a Tropicália teve como uma de suas características mais profundas a mistura de ritmos, incorporação de novos estilos, como o uso da guitarra elétrica, na época, e o diálogo com outras formas de expressão artística, como literatura, e artes plásticas. Como resultado, o movmento deixou de herança músicas e discos antológicos – justamente como “Panis et Circencis”, álbum lançado em julho de 1968.

O show da Bolero Freak no Teatro de Bolso do IV Mundo, no dia 08 de junho, é às 21h. Neste projeto, a banda tem a companhia dos músicos Renata Versolato (voz), Thor Moura (baixo) e Daniel Warschauer (acordeon).

Serviço

  • “Bolero Freak toca Tropicália ou Panis et Circencis.”
  • Data: 08 de junho (5ªf), 21h
  • Local: Teatro de Bolso do IV Mundo – Praça Jesuíno Bandeira, 124 – Vila Romana – São Paulo/SP
  • Valor da entrada: R$20
  • Mais informações: http://goo.gl/gR83Ou
Facebook Comments
%d blogueiros gostam disto: