Belchior, abraçado com a poesia - Kultme

Belchior, abraçado com a poesia

Belchior: diálogos com a literatura

Belchior: diálogos com a literatura

 

Por Carlos Machado*

A música popular brasileira perdeu, dias atrás, seu compositor mais explicitamente comprometido com a poesia: o cearense Belchior. Não me refiro aqui apenas à alta qualidade dos textos criados por ele para suas canções, mas também à poesia que está nos livros e ele, como nenhum outro, trouxe para suas letras.

Sob o impacto da notícia de que o coração de Belchior havia parado de bater, corri, assim como legiões de brasileiros, para reapreciar as canções do velho e bom rapaz latino-americano. Isso me levou a perceber que Antonio Carlos Belchior é o compositor brasileiro mais próximo dos poetas, com suas letras encharcadas de poesia.

O compositor cearense
dizia ter mais compromisso
com as palavras do que com a música

É óbvio — e dispensa comentários — que Chico Buarque, Caetano Veloso e numerosos outros letristas da MPB citaram em suas letras ou converteram em música páginas de grandes poetas brasileiros ou estrangeiros. Chico Buarque, por exemplo, musicou João Cabral, baseou-se em Carlos Drummond de Andrade para compor Quadrilha e, em parceria com Edu Lobo, fez a trilha sonora de O Grande Circo Místico, espetáculo baseado no poema homônimo do alagoano Jorge de Lima. Caetano compôs Os Argonautas, que é uma canção quase psicografada de Fernando Pessoa. Além disso, musicou Maiakóvski e Augusto de Campos. Antonio Carlos Jobim, Gilberto Gil e outros musicaram poemas de Bandeira.

Mas com Belchior a história é diferente. Além de tornar cantáveis poemas inteiros, o autor de Como Nossos Pais estava sempre citando em suas letras as palavras de grandes poetas. Reuni aqui alguns exemplos, que não pretendem ser exaustivos, inclusive porque não reouvi toda a discografia do compositor. E, claro, ainda que tivesse escutado tudo, certamente alguma citação sempre me escaparia.

Apenas um rapaz latino-americano

 

A verdade é que Belchior, em meio a citações de filmes e artistas pop como Bob Dylan, John Lennon, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Luiz Gonzaga, incluiu em suas letras poetas que vão de Dante Alighieri a Carlos Drummond de Andrade, de Maiakóvski a Edgar Allan Poe, de Fernando Pessoa a João Cabral.

Comecemos pelas canções mais conhecidas. Em Como Nossos Pais, sucesso na voz de Elis Regina, o trecho “Na parede da memória / Essa lembrança é o quadro / Que dói mais” remete tranquilamente ao poema “Confidência do Itabirano”, de Carlos Drummond de Andrade, que termina assim: “Itabira é apenas uma fotografia na parede./ Mas como dói!”.

A belíssima Paralelas reverbera o poema “Coração Numeroso”, publicado pelo poeta mineiro em seu livro Alguma Poesia (1930). Drummond diz:

O mar batia em meu peito, já não batia no cais.
A rua acabou, quede as árvores? a cidade sou eu
a cidade sou eu
sou eu a cidade
meu amor.

Belchior, nessa canção dolorida, cutuca a mesma mágoa:

No Corcovado, quem abre os braços sou eu
Copacabana, esta semana o mar sou eu

O clima, insisto, é todo drummondiano. Do rico buquê de canções belchiorianas, creio (é difícil decidir) que Paralelas é a minha preferida. É também nela que o artista escancara a terrível contradição entre as coisas do espírito e a acumulação capitalista: “E no escritório em que eu trabalho e fico rico / Quanto mais eu multiplico / Diminui o meu amor”.

Na canção A Palo Seco, o título faz referência ao canto andaluz sem acompanhamento — no puro gogó, como se diria no Nordeste. É também uma referência ao poeta João Cabral de Melo Neto, que morou em Sevilha, Espanha, apaixonou-se pela cultura andaluz, e escreveu um poema chamado “A Palo Seco”: “Se diz a palo seco / o cante sem guitarra; / o cante sem; o cante; / o cante sem mais nada”.

Em Velha Roupa Colorida, Belchior mistura o assum-preto nordestino, cantado por Luiz Gonzaga, com o corvo do poeta oitocentista americano Edgar Allan Poe. Diz o compositor: “Como Poe, poeta louco americano, / Eu pergunto ao passarinho: / Assum-preto, blackbird, o que se faz?”. Com blackbird, vem outra citação: Beatles.

Divina comédia humana

Na letra de Divina Comédia Humana, tudo é poesia, a começar pelo título, que faz referência à Divina Comédia do poeta florentino Dante Alighieri (1265-1321). No final surgem dois versos inteiros de nosso parnasiano Olavo Bilac: “Ora (direis) ouvir estrelas! Certo / Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto”. E o letrista segue, para concluir: “Enquanto houver espaço, corpo, tempo e algum modo de dizer não eu canto”.

Na toada Voz da América, o poeta citado é Camões: “Eu quero que a minha voz / Saia no rádio, pelo alto-falante / Que Inês possa me ouvir, posta em sossego a sós”. Essa personagem, naturalmente, é um eco de “Estavas, linda Inês, posta em sossego”, a Inês de Castro do quinhentista português Luís de Camões, um dos poetas maiores de nossa língua.

Belchior gostava da intimidade com os grandes. Além de Drummond e Camões, ele também dialogava com Fernando Pessoa. Em Fotografia 3×4, ele canta: “De lágrimas nos olhos de ler o Pessoa / E ver o verde da cana”. Na canção Conheço o meu lugar, o citado é o espanhol Federico García Lorca. Em Tudo Outra Vez, aparece o romântico maranhense Gonçalves Dias, quando Belchior fala em “a cismar”, lembrança de “Em cismar sozinho à noite”, da célebre “Canção do Exílio”.

Em Coração Selvagem, além da referência a Clarice Lispector no título, surgem o som e a fúria de Shakespeare: “O meu som e a minha fúria e essa pressa de viver”. Há também casos em que Belchior põe melodia em poemas inteiros lidos nos livros. Isso ocorre com Até Mais Ver, tradução de um texto do poeta russo Serguei Iessiênin, contemporâneo de Maiakóvski. Trata-se do poema de despedida de Iessiênin (o poeta suicidou-se em 1925, assim como seu colega Maiakóvsi, cinco anos depois).

Mas o verdadeiro tour de force do compositor em seu contato com os poetas apareceu em 2004, quando Belchior publicou um CD duplo com 31 poemas de Carlos Drummond de Andrade, aos quais ele adicionou melodias. Os dois discos vinham acompanhados de 31 retratos de Drummond (um para cada poema-canção) pintados por Belchior , que também era artista plástico. O nome desse projeto precioso é As Várias Caras de Drummond.

Com formação em filosofia e religião (adolescente, recolheu-se durante três anos num mosteiro de capuchinhos no Ceará) e vasta leitura de poetas, Belchior semeou poesia por meio de suas canções. Aliás, em entrevistas ele deixava claro que sua primeira preocupação estava mais com a poesia do que com a música. Quanto a isso, não há dúvida. Quem escreve versos como estes, da canção Mucuripe (música de Fagner), só pode estar imbuído do mais alto desígnio poético:

Aquela estrela é dela
Vida, vento, vela, leva-me daqui.

Mucuripe (música: Fagner / letra: Belchior)

*****

*Carlos Machado é jornalista, poeta e editor do Alguma Poesia.

 

Comente via Face
, ,