A Gravidade Zero de David Bowie - Kultme

A Gravidade Zero de David Bowie

Alexandre Guarnieri

Alexandre Guarnieri: personagem de Bowie como metáfora do humano

 

Gravidade Zero” é o novo livro de poemas do escritor Alexandre Guarnieri, ganhador do Prêmio Jabuti em 2015 e um dos editores da revista eletrônica Mallarmargens. A obra, em lançamento pela editora Penalux, é um tributo a David Bowie, que deu vida ao astronauta Major Tom nas canções “Space Oddity”, “Ashes to Ashes” e “Hallo Spaceboy’. Segundo o escritor, o livro fala sobre um astronauta perdido que decide escrever poemas a respeito do que pode testemunhar em sua viagem pelo espaço e do sentido da vida que deixou para trás na Terra.

“A inspiração veio das sessões de cinema de ficção científica e audições das músicas de Bowie, falecido há um ano, e de outros artistas”, diz Guarnieri, contando que o caso de Major Tom “é extremo porque ele parte numa viagem espacial e não está certo quanto a seu destino, sua missão.”

O poeta diz que ficou tão imerso nas músicas de Bowie que, no final do livro, não resistiu a indicar as canções que mais o inspiraram na criação dos poemas e na ambiência do tema. Para ele, Gravidade Zero é a conclusão de uma trilogia composta por Casa de Máquinas e Corpo de Festim. “Da máquina ao homem. E de volta à máquina para lançar o homem o mais longe possível, para além de toda a familiaridade, sozinho”, sintetiza.

Um dos poemas de Gravidade Zero

hallo spaceboy (I)

Tom, a árvore neuronal acesa,

atracada a seus delírios de guri,

debruçado na sacada para contar

constelações, consultá-las pelo

monóculo da velha luneta herdada

de cecília helena * ou de uma

henrietta * sirius & rhino *

objetos & bichos envoltos em

prisco misticismo * crater &

noctua * órion & horologium *

pléiades & nereidas vagueiam

no oceano noturno do céu

entre cerúleos e tons muito mais

escuros do azul profundo * súbitos

gnus sobre as nuvens de magalhães

em brutas manadas retesando

os glúteos * saltando em bando

no limite de todos os músculos;

testemunha de lá a maravilhosa

catástrofe que depois ouviu

nos racontos do avô, o qual

flagrou de perto a fatalidade

correndo dos destroços cadentes

em desolada estrada que vencia

numa madrugada, hora tão alta;

* * *

meses depois,

dentre as tantas travessuras

e prediletas artes lúdicas,

ele brincava excitado

nas crateras rescaldadas,

revivendo o evento com

brinquedos de lata, aviões

que quebrava sem remorso,

despedaçando artefatos de asas

Serviço

 

Comente via Face
,